sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Agora

Hoje é mais um dia em que eu não tenho certeza do por quê, ou pra quê eu ter chegado onde estou. Não é uma reflexão existencialista, é mais um pragmatismo de pertencimento, pois, quando eu acordo e lhe vejo ao meu lado, creio que não há alguém que nutra o sentimento que sinto por você, agora.

Sentimento não justifica nada, mas nutre a alma e de pouco em pouco, a cada dia novo, é você em quem eu penso antes de dormir. São as suas sardas, é o cabelo que sempre vem na minha cara, quando você tenta se encaixar no meu pescoço, mas é, principalmente, a minha risada em todos os momentos que não uso nenhuma máscara, em que você me aceita como sou e a felicidade é autêntica onde estou agora.
Estaria mentindo se afirmasse que sei pra onde estamos indo. As estradas da vida são muito tortuosas e cheias de armadilha, mas gosto de como, de mãos dadas, conseguimos superar percalços e derrapadas, porque não é como se só ambicionássemos o fim, não, sinto que tanto pra você, quanto pra mim, o que importa mesmo é essa jornada. Logo, gostaria de dizer muitas coisas importantes sobre mim, sobre nós, sobre o que somos, pra você, contudo, eu realmente não sei como, então a única coisa que posso lhe contar é como estou feliz agora. Obrigado, assim, por nunca ter ido embora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário